Passou no vestibular e precisa de dinheiro para pagar a faculdade, comprar os materiais, livros, entre outros? Para isso existe o crédito educativo.

O que é crédito educativo?

O crédito educativo é uma linha de financiamento destinado a pagar os custos de um curso superior. Até as maiores e mais conceituadas universidades oferecem algum tipo de financiamento. Essa linha de crédito se tornou mais conhecida, no país, a partir do final da década de 1990, quando o governo instituiu o FIES.

Além do financiamento público, existe também a possibilidade de utilizar recursos privados de bancos e financeiras. Até as próprias universidades oferecem linhas de crédito para quem quer ingressar em algum de seus cursos.

Diferentemente do modelo modelo estadunidense, os brasileiros começam a pagar parte do empréstimo logo no começo. Assim sobra um resíduo menor ao final do curso.

Existem quatro fontes de financiamento para cursos superiores: empresas privadas [como o Pravaler], as próprias universidades, programas do governo [FIES] e pelos bancos.

Em publicação da PROTESTE, a associação concluiu que as opções de crédito educativo no mercado brasileiro são poucas. O FIES é a melhor forma de financiamento de ensino superior, segundo análise.

Empresas privadas

Várias empresas privadas já têm programas que concedem linhas crédito educativo. A mais conhecida é o Pravaler.

Crédito Universitário Pravaler

O Pravaler é um programa privado de crédito universitário criado pela Ideal Invest, destinado àqueles que querem fazer uma graduação, pós-graduação, MBA ou curso técnico.

É uma boa alternativa ao FIES. O programa está disponível para cursos de mais de 260 instituições de ensino em todo o Brasil.

FUNDAPLUB

Outra alternativa de crédito educativo privado é o oferecido pela Fundação Aplub [FUNDAPLUB]. A fundação financia até 50% do valor da mensalidade. Não há incidência de juros, mas é cobrada um taxa administrativa de até 0,3% ao mês. Para mais informações acesse o site da FUNDAPLUB.

Instituto Educar

O Instituto Educar oferece solução de crédito educativo semelhante à FUNDAPLUB. O financiamento concedido é de, no máximo, 50% do valor da mensalidade, sem cobrança de juros. Há, porém, Taxas de Adesão, de Aditamento e de Amortização. Clique aqui para acessar o site do Instituto Educar.

Financiamentos pelas universidades

O financiamento pela própria universidade é a forma mais tradicional de conseguir um curso superior. As instituições de ensino oferecem financiamento para os estudantes com dificuldades de pagar as mensalidades de seu curso. Elas também dão bolsas de estudo e outros auxílios aos estudantes.

FIES

Criado em 1999, o FIES [Programa de Financiamento Estudantil] é um financiamento subsidiado pelo governo federal para estudantes universitários. É possível financiar 100% do valor da faculdade. O programa destina-se aos estudantes sem condições de pagar o valor integral da sua formação. É operado pela Caixa e pelo Banco do Brasil.

Com juros de 3,4% ao ano, o FIES é a melhor fonte de financiamento educativo do mercado. Taxas em bancos privados costumam ser bem mais caras. As prestações iniciais são de até R$ 50,00 por trimestre até 18 meses após a conclusão do curso.

Como em qualquer financiamento, são cobrados IOF e correção monetária. O percentual do financiamento varia entre 50% a 100%, dependendo da renda do estudante e do valor da mensalidade.

Pré-requisitos

O FIES tem algumas exigências para conceder o financiamento. O Ministério da Educação leva em conta o perfil socioeconômico do candidato para a seleção dos beneficiados no programa. Entre os pré-requisitos mais importantes estão:

  • o aluno deve ser de baixa renda;
  • deve estar devidamente matriculado em uma instituição de nível superior;
  • o curso não deve ser gratuito;
  • deve apresentar garantias, como um fiador que tenha renda mínima de duas vezes o valor da mensalidade;
  • o aluno não deve ter sido beneficiado pelo programa anteriormente.

Obrigações do estudante financiado pelo FIES

Para continuar no programa, o estudante deve seguir as seguintes obrigações:

  • ter bom desempenho acadêmico, com 75% de aprovação, no mínimo;
  • estar em dia com as parcelas;
  • estar matriculado regularmente no curso, não se afastando por um período maior que 1 ano.

Pagamento das parcelas

O pagamentos das prestações do financiamento acontece em três fases, sendo que o beneficiado não pode comprometer mais do que 20% da renda per capita da família.

A primeira fase é aquela que se paga durante o andamento do curso.

A segunda, é a fase de carência, que ocorre 18 meses após a conclusão do curso.

Nessas duas fases, o estudante só paga, a cada três meses, o valor dos juros. Essas parcelas são de, no máximo, R$ 50,00. A última fase é a da amortização, na qual o saldo devedor e os juros restantes são pagos. Nessa fase, o parcelamento é feito em até três vezes o período financiado mais 12 meses.

Por exemplo, um curso de 5 anos terá uma fase de amortização de 16  anos [(3 × 5 anos) + 12 meses].

Como se inscrever

Para se inscrever no FIES basta acessar o endereço sisfiesportal.mec.gov.br e solicitar o financiamento.

Bancos privados

Uma alternativa às linhas de crédito do governo e de outras instituições e o financiamento por meio de bancos privados. As taxas de juros são bem mais altas nesse caso. Santander, Itaú Unibanco e Bradesco são os principais bancos que oferecem crédito educativo. É preciso ser correntista do banco e a proposta de crédito é sujeita a análise.

Santander

O Santander oferece o Crédito Educação Continuada, para financiar cursos de pós-graduação

lato sensu, MBAs, mestrados e doutorados> nas IESs conveniadas com o banco. São 38 instituições conveniadas. O prazo de pagamento é de 36 meses, com possibilidade de financiar 100% do valor do curso.

As parcelas são debitadas automaticamente da conta-corrente. A taxa de juros do Santander é de 1,95% a.m., ou 23,4% a.a. O banco espanhol ainda conta com o Credi-Universidade, um crédito pessoal para a compra de materiais escolares, como livros, computadores e outras despesas que o curso exigir.

Para mais informações visite o site do Santander.

Itaú Unibanco

O Itaú Unibanco, maior banco privado do país, tem o Crédito Universitário, que financia cerca de metade do valor do curso de cursos de graduação. São 90 instituições conveniadas em 23 estados.

A taxa de juros é de 6% a.a. O crédito pode ser renovado a cada 6 meses, sendo que o valor das mensalidades de cada semestre é parcelado em 12 meses. Não há acumulo de parcelas.

Bradesco

O Bradesco tem várias linhas de crédito educativo para que vai fazer, ou está fazendo, cursos de graduação, pós-graduação e MBAs. O Crédito Universitário Bradesco, voltados para estudantes de graduação, oferece financiamento para pagar em até 12 vezes o valor de um semestre.

A taxa de juros depende do contrato com a faculdade conveniada. A linha CDC MBA e pós-graduação é a solução de crédito que o Bradesco oferece para quem quer se aperfeiçoar na carreira.

As parcelas desse financiamento são a partir de R$ 20,00, com 48 meses para pagar no débito automático. É possível financiar até 70% do valor do curso, com um limite de 40 mil reais. Os juros são de 2,55% a.m., ou 35,28% a.a. O financiamento tem limite de 40.000, com prazo de 48 meses para pagar.

Outras linhas de crédito do Bradesco disponíveis para universitários são:

  • CDC Intercâmbio
  • CDC Material Didático Universitários
  • CDC Outros Bens Universitários
  • Cheque Especial Universitários
  • Crédito Pessoal Bradesco Universitários
  • Limite de Crédito Pessoal Universitários

Para mais detalhes visite o site do Bradesco.

HSBC

O banco britânico tem o Crédito Pessoal Graduação, que concede crédito apenas para os estudantes que estão cursando o último ano da faculdade. Esse último detalhe diminui bastante o apelo do produto. São 13 instituições conveniadas, em 8 estados.

O pagamento pode ser feito em até 12 vezes, com o financiamento mínimo de 3 mensalidades. A contratação do crédito é por semestre, sendo possível financiar 100% do valor, mas limitando-se a R$ 20.000,00. Mais detalhes aqui. Fonte: EXAME.com